Vôlei masculino: Brasil cresce na hora certa e vira clássico contra a Argentina

Vôlei masculino: Brasil cresce na hora certa e vira clássico contra a Argentina

 

A seleção brasileira masculina de vôlei teve um clássico contra a Argentina, nesta segunda-feira, pela 2ª rodada da fase de classificação nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Em nova atuação abaixo do que pode render, o Brasil voltou a vencer, mas tendo muito trabalho para superar a Argentina por 3 a 2 (19/25, 21/25, 25/16, 25/21 e 16/14), de virada.

O levantador Bruninho não fez boa partida, se precipitando em algumas decisões que comprometeram os contra-ataques. Bloqueio e recepção não estiveram no melhor dia, por pouco não influenciando no resultado. 

Algumas peças importantes do Brasil, como Leal e Thales também oscilaram, conseguindo ter o melhor desempenho no momento mais importante do jogo. Na reta final do duelo, a entrada do oposto Alan surtiu efeito com a virada de bola do Brasil melhorando na saída de rede.

 

A Argentina teve grande atuação, sendo bastante regular no passe e nas viradas de bola para pressionar o Brasil em quase todo o duelo. O Brasil, agora, encara a Rússia, às 9h45 (horário de Brasília) de quarta-feira. 

Dos seis times do grupo, quatro se classificam para a próxima fase. A Argentina abriu 2 a 0 com muita defesa e volume de jogo, testando a paciência brasileira. O levantador De Cecco acelerou o jogo para dar muito trabalho para o bloqueio brasileiro. Os atacantes argentinos Conte, Lima e Palacios tiveram bom aproveitamento ofensivo. 

Além da vibração abaixo, a recepção abaixo do Brasil deixou a missão de incomodar os hermanos complicada. Quando encostava no placar, o Brasil logo permitia que a Argentina abrisse boa diferença para deixar os vizinhos confortáveis no jogo. O 2 a 0 veio com merecimento da albiceleste, que fazia um jogo solto e eficiente. 

Depois de dois primeiros sets muito abaixo, o Brasil reagiu no terceiro set. A entrada do levantador Fernando Cachopa, do Sada Cruzeiro, deu outro ritmo para a virada de bola do time nacional, que conseguiu, enfim, estar na frente do placar e pressionar o adversário. 

No quarto set, a Argentina veio com tudo, errando menos e abrindo boa diferença já no começo da parcial para colocar o time verde-amarelo na parede. Minutos depois, o 17 a 11 parecia encaminhar a vitória hermana. Foi aí que a reação brasileira começou com melhor aproveitamento da virada de bola, mais energia e a defesa jogando tudo pra cima. O empate e a virada desnortearam os argentinos, que não conseguiram sair do momento de pressão, se contentando com o tie-break.

Motivado pela vitória e reação no quarto set, o Brasil entrou no tie-break para não deixar a vitória escapar. O quinto set teve muito equilíbrio, com constantes troca de pontos. Leal apareceu pra ser decisivo, em atuação diferente do começo do jogo quando chegou a ser substituído. O ponto final veio em erro de ataque de Conte pra fora para fazer a seleção respirar aliviada, com a certeza de uma evolução necessária para enfrentar os jogos seguintes na fase de classificação.