Varíola dos macacos: Primeira morte no Brasil é registrada em Belo Horizonte

Varíola dos macacos: Primeira morte no Brasil é registrada em Belo Horizonte
As lesões na pele parecem as da catapora ou da sífilis até formarem uma crosta, que depois cai — Foto: HANDOUT / UK HEALTH SECURITY AGENCY / AFP

 

Por Lucas Henrique Gomes e Lucyenne Landim

 

O Ministério da Saúde confirmou nesta sexta-feira (29) a primeira morte por varíola dos macacos, a monkeypox, no país. O óbito foi registrado em Belo Horizonte, na capital de Minas Gerais. De acordo com as informações da pasta, a vítima é um homem de 41 anos que tinha baixa imunidade e enfrentava um câncer.

"O Ministério da Saúde confirma um óbito relacionado a monkeypox, conhecida como varíola dos macacos, no Brasil. Trata-se de um paciente do sexo masculino, de 41 anos, com imunidade baixa e comorbidades, incluindo câncer (linfoma), que levaram ao agravamento do quadro. Ficou hospitalizado em hospital público em Belo Horizonte, sendo depois direcionado ao CTI. A causa de óbito foi choque séptico, agravada pela monkeypox", informou a pasta.

A informação inicial, repassada pelo próprio Ministério da Saúde, era de que a morte tinha ocorrido em Uberlândia mas, com a nota, o Ministério da Saúde corrigiu o registro para Belo Horizonte. A Secretaria de Saúde de Uberlândia também emitiu nota afirmando que não há caso da doença ou de morte na cidade.

 

"A Secretaria Municipal de Saúde informa que, segundo o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), a morte de um homem por Varíola do Macaco é oriunda de outra cidade de Minas Gerais. Ou seja, até o momento, Uberlândia não tem nenhuma notificação de caso suspeito ou óbito da doença", comunicou.

O boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) não trazia a morte, apenas 44 casos confirmados e 114 suspeitos.

A doença é tratada como emergência sanitária global pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Já são mais de 18 mil casos confirmados em 78 países. Até esta quinta-feira (29), cinco pessoas haviam morrido pela doença em todo o mundo.

No Brasil, o Ministério da Saúde trata a varíola dos macacos como um surto, que é o o primeiro estágio da evolução de contágio, antes de epidemia e pandemia. O boletim mais recente da pasta informava 1.066 casos da doença, sendo a maioria em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Quais são os sintomas da varíola dos macacos?

Os primeiros sintomas da varíola dos macacos são febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas, linfonodos inchados, calafrios e exaustão. A doença se desenvolve com lesões na pele, primeiramente no rosto. As lesões também podem se espalhar para outras partes do corpo, incluindo os genitais.

As lesões na pele parecem as da catapora ou da sífilis até formarem uma crosta, que depois cai. Os sintomas podem ser leves ou graves, e as lesões na pele podem ser pruriginosas ou dolorosas.

Como a doença é transmitida?

A transmissão ocorre por contato próximo com lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados, como roupas de cama. A transmissão de humano para humano ocorre entre pessoas com contato físico próximo com casos sintomáticos.

O contato próximo com pessoas infectadas ou materiais contaminados deve ser evitado. Luvas e outras roupas e equipamentos de proteção individual devem ser usados ​​ao cuidar dos doentes, seja em uma unidade de saúde ou em casa.