A APAMI/Hospital São José de Virginópolis foi proibido de realizar atendimentos em casos de Covid-19 por irregularidades constatadas pela Vigilância Sanitária Estadual.

A APAMI/Hospital São José de Virginópolis, assim como o Hospital São Sebastião de Sabinópolis, também teve seus atendimento aos casos de Covid-19 suspensos, devido a irregularidades detectadas pela Vigilância Sanitária Estadual.   

A APAMI/Hospital  São José de Virginópolis foi proibido de realizar atendimentos em casos de Covid-19  por irregularidades constatadas pela Vigilância Sanitária Estadual.
REprodução net

Seguindo os mesmo critérios usados pela Vigilância Sanitária Estadual, quando no impedimento ao atendimento da Covid19, por irregularidades, no Hospital de Sabinópolis, a APAMI/Hospital São José de Virginópolis também sofreu a mesma penalidade.

Tais fiscalizações foram da mesma forma feitas a partir de uma requisição do Ministério Público de Minas Gerais para avaliar as condições sanitárias da estrutura provisória organizada para funcionamento  de leitos clínicos de  internação    para    pacientes    suspeitos e confirmados  COVID-19,    atendendo    conforme Oficio 0526/2021/22PJCG do Ministério Publico da Comarca de Guanhães, datado de 26/04/2021.

Após os trabalhos de fiscalização realizados no dia 14/05/2021, foram detectados diversas irregularidades que seguem anexas no relatório da Vigilância Sanitária Estadual.

E considerando que foi verificada a existência de não conformidades e que comprometem a assistência a saúde aos pacientes Covid-19 conforme descrito neste relatório, o NUVISA/GRS/ITABIRA NOTIFICOU aos responsáveis pelo estabelecimento a SUSPENDER IMEDIATAMENTE as atividades de internação de pacientes suspeitos / confirmados SRAG / COVID-19.

Definiu-se então, que até que as não conformidades sejam devidamente sanadas, ficando ressalvadas as atividades de atendimento ambulatorial/emergência, com encaminhamento ao serviço de referencia de SRAG/COVID-19 (clinico e UTI) dos pacientes suspeitos e confirmados com indicação de internação.

 

Fonte: MPMG /  NUVISA/GRS/ITABIRA

 

RElatório da Vigilancia Sanitária Estadual