Deputado mineiro é cotado para assumir Ministério da Cidadania de Bolsonaro

Mudança na pasta faz parte do acordo do presidente em troca de apoio à candidatura de Arthur Lira na eleição da Mesa da Câmara

Deputado mineiro é cotado para assumir Ministério da Cidadania de Bolsonaro
Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

 

Por THAÍS MOTA

 

Na esteira dos cargos prometidos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para angariar votos para Arthur Lira (PP-AL) na disputa pela presidência da Câmara, o deputado mineiro Lafayette Andrada (Republicanos) pode ser beneficiado. Ele afirmou que é um dos cotados, ao lado do deputado João Roma (Republicanos-BA), para assumir o Ministério da Cidadania, hoje ocupado por Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que deve ir para a Secretaria-Geral.

Segundo Andrada, a direção do partido deve definir quem será o indicado nos próximos dias, mas já há consenso de que não será ninguém da Igreja Universal do Reino de Deus, ao qual a legenda é ligada. "O ministro a ser indicado pelo partido não deverá ser nenhum membro da igreja, nenhum pastor, nenhum bispo, nem nenhum nome ligado à igreja", disse. E emendou: "Hoje, os nomes mais fortes são o do João Roma, da Bahia, e eu".

Ele disse ainda que já é certo que Republicanos terá o ministério, só falta definir ao certo se será mesmo o da Cidadania e qual será o parlamentar a ocupar o cargo de ministro. "Qual será o ministério ainda não está totalmente definido, mas está caminhando e tudo indica que será o da Cidadania. O que está batido martelo é que o Republicanos terá um ministério".

Também é possível, segundo o deputado, que o Republicanos tenha um assento na Mesa Diretora da Câmara, cuja eleição será realizada na noite desta terça-feira (2). "Na mesa está uma confusão, porque anulou a eleição. Mas, o nosso partido parece que também terá uma vaga na Mesa. Isso será definido hoje a tarde, mas ninguém sabe", afirmou Andrada.

A eleição para os cargos de 1º e 2º vice-presidentes, quatro secretários e quatro suplentes da Mesa Diretora acontecerá às 18h. Isso porque o novo presidente da Câmara, Arthur Lira, revogou a decisão do então presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) de aceitar o registro do bloco de partidos que apoiou o candidato Baleia Rossi (MDB-SP) após o prazo previsto. A revogação foi o primeiro ato de Lira no cargo.

A reportagem tentou confirmar as informações com a direção nacional do Republicanos, mas o presidente da sigla, deputado Marcos Pereira, disse que “não tem nada definido”, mas confirmou que ambos os nomes (Lafayette Andrada e João Roma) “são opções”.